terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Alcione e Raça Negra embalam a noite de sábado no Expominas

A "Marrom" homenageou, entre outros, a Escola de Samba Mangueira. Na lista de Luiz Carlos, homenagens à Maysa, Roberto Carlos e Skank.
Fotos: Antônio Pedro de Souza/Grupo Balo de Comunicação

Homenagens durante os shows marcaram o evento

Alcione e Raça Negra cantaram para cerca de 4 mil pessoas no último sábado no Expominas, em Belo Horizonte. O evento foi produzido pela Nenety Eventos, em parceria com a Rádio Fã FM, e contou com a assessoria de imprensa do Grupo Balo de Comunicação.

Por volta das 22h30, o músico Luiz Carlos, vocalista do Raça Negra concedeu entrevista aos veículos de imprensa presentes no local e, às 23h, a banda subiu ao palco para interpretar seus grandes sucessos. Durante o show, o grupo homenageou a compositora e cantora Maysa, cantando a clássica “Ouça”; o Rei Roberto Carlos, com “Do Fundo do Meu Coração”; e a banda Skank, com o sucesso “Tão Seu”, que ganhou uma roupagem nova e se tornou a nova música de trabalho do Raça Negra.

À 1h da manhã, Alcione subiu ao palco e, entre uma música e outra, conversou com fãs, posou para fotos, saudou Belo Horizonte e Minas Gerais e prestou uma homenagem a sua escola de samba do coração: a Mangueira, que foi a campeã do desfile do Rio de Janeiro este ano.

No meio do show, a cantora dedicou um bloco às músicas que fizeram parte das trilhas sonoras de diversas novelas. Abriu o bloco “Juízo Final”, passando para “Meu Ébano” e “Você me Vira a Cabeça”.


A artista ainda adiantou alguns detalhes do seu novo trabalho, que contará com a participação de Alexandre Pires, entre outros. Ela encerrou o show às 2h15 da manhã com o clássico “Não Deixe o Samba Morrer”.