quinta-feira, 8 de julho de 2010

XI Congresso Estadual dos Jornalistas de Minas Gerais - 25, 26 e 27/06/2010

Denise Guimarães, Heberton Lopes, Andreza Borgo, Flávia Marques e Leandro Ferreira

A postagem que marca meu retorno não poderia ser mais especial. Tive a oportunidade e o prazer de participar do XI Encontro Estadual dos Jornalistas de Minas Gerais, realizado nos dias 25, 26 e 27 de junho no Tauá Grande Hotel, em Araxá. Realizado de dois em dois anos, essa edição do evento foi "o jornalista profissional na construção de um projeto para o Brasil". Valeu muito a pena viajar 374 km de ônibus. Pude acompanhar importantes discussões acerca do futuro da profissão que pretendo exercer para o resto da vida. Confesso, voltei para casa muito mais motivado a lutar pelo diploma e a trabalhar nesse maravilhoso ofício.

Nessa fantástica viagem, embarcaram comigo meus amigos Leandro Ferreira, Andreza Borgo, Flávia Marques e Denise Guimarães. Todos nós fomos empolgadíssimos e voltamos com muitas histórias para contar. Renomados acadêmicos da área de comunicação, que pareciam tão distantes nas publicações, sentaram à mesa conosco. Não posso deixar de citar os professores Rogério Christofoletti e Juliano Carvalho, e o repórter da Carta Capital, Leandro Fortes, que foram muito atenciosos com os "quase focas".

A palestra que mais me deixou empolgado foi a "Convergência de Mídias e a Precarização do Trabalho", com Juliano Carvalho e César Bolaño. Aplaudi de pé! Foi uma rica discussão, expondo a realidade de dentro das redações. "O lead está de joelhos", essa frase dita por Juliano me fez arrepiar na primeira vez que eu a ouvi. Com as novas mídias, as respostas aos "Qs" do jornalismo estão cada vez mais fora da estrutura padrão do texto. Quanto à precarização do trabalho, na palestra foi apresentado o que vemos na prática no cotidiano das empresas jornalísticas. Com o advento da tecnologia nos locais de trabalho dos jornalistas, o acúmulo de funções é inevitável quando o patrão não percebe a importância do conteúdo bem feito para todos os tipos de mídia. O que vemos atualmente são jornalistas sobrecarregados, sem tempo de preocupar com a qualidade do trabalho, publicando conteúdos intitulados "convergentes, quando na verdade são somente a inserção do mesmo produto em várias mídias.

A convergência "travestida" é uma dura realidade em algumas redações. Convergir conteúdo é adequá-lo às diversas mídias. Infelizmente, ainda não é tão difundido e a maioria das empresas entendem que ter conteúdo convergente é sobrecarregar ao máximo o jornalista e divulgar as informações, sem a preocupação com adequação de linguagem, nas diversas plataformas.

Concordo que o jornalista tem que saber de tudo, trabalhar com diversos conteúdos em plataformas diferentes. Defendo o jornalista multimídia até porque eu me considero um. O que eu discordo é da maneira com que as empresas tratam esse profissional. A baixa remuneração é, pelo que percebo, o principal ponto desmotivador.

Outro tema amplamente discutido foi o diploma. Depois que nosso queridíssimo Gilmar Mendes derrubou nosso canudo, os sindicatos estaduais e a Fenaj lutam pela volta da exigência do curso superior para o exercício da profissão. O fruto do congresso foi a Carta de Araxá, que é um documento que, de acordo com o sindicato, reitera o compromisso dos profissionais do Estado na construção de um projeto para o Brasil.

Na viagem de volta, conversei um pouco com a diretora do Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais, Fátima Oliveira. Eu gravei alguns podcasts com ela. A gravação não ficou excelente, mas vale a pena ouvir alguns trechos interessantes.

Fátima fez um balanço do evento:



O XI Congresso Estadual dos Jornalistas de Minas Gerais foi um preparatório para o encontro nacional, que é o mais importante para a categoria. A Fátima falou um pouco sobre o evento que será realizado em Porto Alegre no mês de agosto:



Vocês sabiam que desde 2004 os jornalistas já temiam a queda do diploma? A Fátima falou sobre as ações e conquistas do sindicato em defesa do curso superior para o exercício da profissão de jornalista:



A diretora do sindicato acredita na volta do diploma, destaca as atribuições do jornalista profissional e critica Gilmar Mendes:



Particularmente, o XI Congresso Estadual dos Jornalistas de Minas Gerais foi muito enriquecedor. Pude ver mais de perto a realidade da minha profissão.
Aproveitei a oportunidade para fazer uma cobertura para divulgação nos veículos internos da Faculdade Pitágoras. Com isso, espero ter colaborado para que meus colegas, futuros jornalistas, possam ter ciência de como foi o evento.

Abaixo, a imagem postada na newsletter Acontece e no site institucional da Faculdade Pitágoras de Belo Horizonte:


Clique na imagem para ler a matéria



Estudantes e jornalistas congressistas

Não posso deixar de mencionar que o Tauá Grande Hotel é excelente. Além do ótimo atendimento dos funcionários, a estrutura e a beleza do lugar impressionam qualquer um.
Mais informações sobre o XI Congresso Estadual dos Jornalistas de Minas Gerais e a Carta de Araxá na íntegra, acesse http://www.jornalistasdeminas.org.br/