domingo, 23 de maio de 2010

Reportagem - Nova fase da Faculdade Pitágoras - 29/04/2010

Na postagem da entrevista com o Datena, citei um conselho da minha grande amiga Denise Guimarães: "esteja sempre preparado". Pois é, o destino me surpreendeu novamente. Eu não estava preparado (juro que foi a última vez).

No dia 29 de abril, a Faculdade Pitágoras de Belo Horizonte realizou o evento "Pitágoras melhor e mais forte" no Teatro do Sesi para reunir o corpo docente. O objetivo foi discutir e comunicar as mudanças pedagógicas e organizacionais na instituição. A princípio, eu iria realizar a cobertura fotográfica e jornalística para o site e veículos internos da FAP. Porém, no dia do evento, minha coordenadora, Nicoli Tassis Guedes, me ligou às 14h para sugerir uma reportagem para televisão. Eu não tenho experiência na área, fiquei muito tenso, mas topei o desafio.

Me deparei com alguns "probleminhas". Eu não estava vestido adequadamente para uma reportagem televisiva, minha barba não estava feita e moro muito longe da faculdade. Não ia dar tempo de voltar em casa. Outro agravante: o cinegrafista e editor, Luis Flávio Costa, começa a trabalhar somente às 17h.

Tracei um plano de ação mentalmente. Primeiro tinha que resolver meu problema das vestimentas. Fui correndo ao shopping para comprar uma camisa social lisa e um cinto. Detalhe: não tinha um centavo no bolso. Santo cartão de crédito, muito obrigado!
Depois, liguei para o Flávio e fiz um pedido desesperado. Prestativo e muito competente, em menos de uma hora ele já estava disponível.

Comprei um barbeador descartável, também no crédito, e fui correndo para a faculdade. Quando chego lá, uma consultora de uma escola de idiomas estava me esperando. A camisa estava com uma mancha e já era 16h. Eu tinha que estar 17h30 no local do evento. Pedi às minhas colegas de trabalho, Camila e Lorena, que tentassem remover a bendita sujeirinha. O aluno de publicidade, Leorges Araújo, que interpreta a Murica, sugeriu que elas utilizassem sabonete de motel. Mas iriam conseguir isso? Ele tinha na mochila e nos emprestou. E funcionou mesmo, a camisa ficou limpinha. Muito obrigado Leorges!

A consultura ainda lá, conversei com ela por longos 50 minutos e fui me aprontar. Fiz a barba com o aparelho descartável que irritou minha pele. Vesti a camisa e me senti aliviado por estar com as vestimentas adequadas.

Agora a tensão era porque eu estava inseguro. Não tenho experiência com televisão e a demanda não era de um produto acadêmico, mas sim profissional. Fui, com as pernas bambas fazer a cobertura do evento. O Flávio foi um pai e a Nicoli a mãe. Ambos me apoiaram me ajudaram muito. Sem o auxílio da Nicoli e os conselhos do Flávio, com certeza eu teria travado.

O que eu sabia de televisão foi o que vi em Telejornalismo 1, com o professor Jachynto Salviano. Aprendi a fazer plano-sequência. Eu aprenderia a reportagem tradicional em Tele 2, no próximo semestre. Tive que aprender na hora!

O produto que vocês vão ver abaixo não ficou tão profissional quanto deveria. Digo isso da minha parte do trabalho, porque as filmagens e a edição do Flávio ficaram ótimas e as orientações da Nicoli foram essenciais.

Na primeira passagem, falei "sussurrando" porque senão iria atrapalhar o andamento do evento. Sei que não é o padrão Globo, mas preferi deixar devido as informações da fala.

Ainda acumulei a função de fotógrafo e fiz a cobertura para os veículos internos. Nesse dia fui o verdadeiro profissional multimídia. Foi uma ótima experiência. Pude aprender muito.

Abaixo, o texto da cobertura do evento, publicado no Acontece do dia 3 de maio, e a reportagem para a TV.

Pitágoras melhor e mais forte

Nova fase da Faculdade Pitágoras é anunciada em evento

Foco no bom atendimento ao aluno. Com esse assunto, o novo diretor da regional Belo Horizonte, Sandro Ricardo Bonás, iniciou o evento “Pitágoras melhor e mais forte”, promovido no dia 29 de abril, no teatro do Sesi. Além de promover a integração entre os nove campi de BH, o encontro foi realizado para discutir junto ao corpo docente da Faculdade Pitágoras os desafios e as estratégias para 2010. Também estiveram presentes o diretor de desenvolvimento acadêmico do grupo Kroton/Iuni, Gustavo Hoffmann, o diretor acadêmico Rui Favas, o C.A.O. (Chief Academic Officer) e presidente do comitê acadêmico da Kroton/Iuni, Aécio Lira, e o diretor acadêmico da regional Belo Horizonte, Rodrigo Renan.

Bonás, que é paulistano e tem carreira consolidada na área de gestão, pretende aplicar os conhecimentos adquiridos nas diversas experiências profissionais nas unidades Belo Horizonte da Faculdade Pitágoras. A primeira mudança anunciada foi a descentralização de processos. A partir de agora, cada campus passa a contar com um gestor, que terá autonomia para conduzir a operação localmente. Com isso, o resultado será a otimização de recursos e respostas imediatas, o que vai impactar diretamente na qualidade da prestação de serviços aos alunos. O intuito do diretor é elevar a percepção do aluno acerca das mudanças positivas com os novos processos.

Para que a máxima qualidade dos serviços prestados pela Faculdade Pitágoras seja percebida, Bonás propõe uma série de desafios para o corpo administrativo e docente. Ele fez uma analogia em que cada um deve se considerar um negócio individual. Ou seja, todos devem dar o melhor de si e trabalhar em prol da qualidade total. A mensuração de resultados foi outro ponto abordado. O objetivo é garantir que o processo educacional do egresso tenha sido concluído e confirmar isso por meio de uma espécie de “pós-venda”. Desta forma, a intenção é fazer com que a Faculdade Pitágoras seja a primeira opção em instituição de ensino superior para os estudantes de Belo Horizonte.

No evento ainda foi abordado o novo perfil do aluno no chamado “mundo 2.0”. O estudante 2.0 é o da geração das tecnologias digitais. Ele tem acesso à Internet, utiliza diversos meios para se comunicar e expressa a opinião dele publicamente, seja por meio de sites, blogs e redes sociais. E é exatamente essa opinião que interessa à Faculdade Pitágoras. O objetivo é absorver as críticas, identificar os erros e fazer as mudanças necessárias para o bem comum da instituição e do aluno.


Minha reportagem para a televisão:



Repórter: Heberton Lopes
Imagens e edição: Luis Flávio Costa
Supervisão: Nicoli Tassis Guedes