sábado, 15 de maio de 2010

Curso de Comunicação da FAP recebe Ricardo Carlini - 12/05/2010

O jornalista Ricardo Carlini esteve na Faculdade Pitágoras no último dia 12. Eu tive o prazer de fazer a cobertura da visita. Foi bem enriquecedor, pois pude fazer a cobertura fotográfica e jornalística para o site institucional da FAP e veículos internos.

Abaixo, o texto que será publicado no próximo Acontece e algumas fotos de minha autoria.


Curso de Comunicação da FAP recebe Ricardo Carlini


Os estudantes de Comunicação Social da Faculdade Pitágoras ficaram empolgados na noite do dia 12 de maio. O jornalista e apresentador Ricardo Carlini foi recebido pelos discentes na sala 101 da Unidade Guajajaras. Com vasta experiência no jornalismo, ele integrou a primeira equipe do TJ Brasil no SBT, com Boris Casoy, trabalhou na Rede Globo e em outras várias emissoras. Além disso é cerimonialista e atualmente trabalha na Tv Alterosa.


Com bom humor e o respaldo de anos de profissão, Carlini conversou com os estudantes a respeito da espetacularização da notícia. Ele, que é conhecido por trabalhar com jornalismo popular, criticou as fórmulas utilizadas por alguns programas que se auto-intitulam como jornalísticos. O termo a “espetacularização lixo da notícia” foi falado algumas vezes pelo jornalista ao fazer referência a atrações que misturam a notícia com o foco comercial, dando prêmios, realizando sorteios e fazendo com que a informação fique em segundo plano e a publicidade seja o objetivo primordial.


Ricardo Carlini, que apresentou o Alterosa Urgente, destaca a forma correta de passar a informação ao telespectador. De acordo com o jornalista, o bom texto é a âncora de tudo e a notícia deve ser bem construída como um show. Portanto, para ele, a espetacularização da notícia não é negativa, como a maioria dos estudantes pensava ser. Carlini fez a reflexão em que a notícia é um produto, que obviamente é vendido por empresas jornalísticas e deve ser consumido. O que ele faz, é tornar o fato mais atrativo para o telespectador, por meio do bom texto e boas imagens.


Casos polêmicos como a cobertura do atentado às torres do World Trade Center, em 11 de setembro de 2001, foram abordados como forma de exemplificar a atuação do profissional de jornalismo em situações delicadas. Um aluno levantou a discussão ao falar que os repórteres estavam atrapalhando o desenvolvimento dos trabalhos dos bombeiros no dia da tragédia. Carlini foi incisivo ao falar que os jornalistas estavam certos em estar acompanhando os resgates. Ele ainda disse que a maioria dos profissionais da informação tem medo de exercer a profissão.


Jornalista bem sucedido, Carlini deu algumas dicas aos alunos da FAP. A primeira foi que não se deve correr atrás da notícia, mas sim a frente dela. O profissional deve pensar além do óbvio e ter paixão pelo o que faz. Ele, que trabalhou várias vezes fora do horário para apurar informações, taxa como “jornalista sofrível de nível mínimo”, aqueles profissionais preocupados com a hora de encerrar o expediente.


O editor assistente de Carlini, o professor de redação publicitária e jornalista, Juliano Azevedo, esteve presente para falar sobre a rotina dos jornalistas na produção do Tv Verdade. O apresentador ressaltou que fez questão da companhia de Azevedo, pois ele é seu "braço direito" no programa.


O evento foi uma iniciativa da professora e jornalista Denise Guimarães, docente do curso de Comunicação Social da Faculdade Pitágoras de Belo Horizonte.








Carlini sendo entrevistado por Flávia Marques

Carlini e a repórter Flávia Marques

Juliano Azevedo, editor assistente de Carlini


Denise Guimarães e Ricardo Carlini


Ricardo Carlini e Heberton Lopes (foto: Andreza Borgo)