quarta-feira, 29 de abril de 2009

Pitágoras é palco da abertura do XII Encontro Nacional dos Professores de Jornalismo


Por Graziella Giannini e Heberton Lopes

Com o ensino em jornalismo nas universidades em foco, o XII Encontro Nacional de Professores de Jornalismo que aconteceu nos dias 17, 18 e 19 de abril em Belo Horizonte. A reportagem acompanhou as discussões do dia 17 de abril, início dos trabalhos, no auditório da Faculdade Pitágoras. As novas diretrizes curriculares para o ensino de jornalismo foi o tema de início do Encontro.

Foi realizado o III Encontro de Coordenadores dos Cursos de Jornalismo onde foram debatidos diversos temas como a obrigatoriedade do diploma e as diretrizes curriculares para o curso. A conferencista foi Carmen Lúcia Pereira.

Edson Spenthof, presidente do Fórum Nacional de Professores de Jornalismo, FNPJ, falou sobre as propostas do grupo para as diretrizes e deixou claro por diversas vezes que o documento proposto com estas diretrizes ainda está em construção. Ele ainda falou sobre a abertura da equipe para sugestões: “é preciso ficar claro que o que está em discussão são as diretrizes curriculares, não engessamentos ao currículo”. A discussão a respeito das alterações tem sido feita por meio de um e-mail criado pelo grupo (diretrizesjornalismo@fnpj.org.br) e pela lista criada no site da FNPJ. Edson Spenthof ainda completa: “as diretrizes não garantem a qualidade dos cursos. Para isso, é preciso pensar, por exemplo, em um selo de qualidade”.

Todo o discurso da manhã da sexta-feira, dia da abertura do Fórum, foi destinado a clareza do caminho traçado pela equipe do Fórum, logo que foram expostos os pontos de vista dos que presidiam a mesa, foi aberta a possibilidade dos presentes no auditório a falarem sobre seus pontos de vista e, dessa forma, compartilhar com os que ali estavam. Jornalistas de várias cidades como Manaus, Campinas, Londrina, dentre outras, compartilharam suas opiniões.

A tarde, após o intervalo para o almoço, teve início o V Colóquio Andi, Agência de Notícias dos Direitos da Infância, com o tema Infância, consumo e mídia: desafios para o jornalismo. Houve o lançamento do livro “Infância e consumo: estudos no campo da comunicação” que foi distribuído a todos os presentes. Com artigos de dez bolsistas selecionados na edição do programa InFormação 2007, o livro é uma parceria da ANDI com o Projeto Criança e Consumo.

Laís Fontenelle, coordenadora de Educação e Pesquisa do Instituto Alana, abriu o colóquio falando sobre a mercantilização da infância, assunto tratado no livro. Laís falou sobre a aceleração da infância e a necessidade das crianças em consumirem, já que as grandes marcas perceberam nelas um mercado fervoroso e promissor. Seu foco era o desafio da comunicação diante da criança. A mediação da mesa ficou a cargo do jornalista Veet Vivarta, secretário-executivo da Andi. Logo outros participantes como José Ednilson Gomes de Souza Jr, bolsista do projeto Andi e o jornalista e especialista em gestão de comunicação Flávio Paiva expuseram seus artigos que foram publicados no livro.

Em seguida deu-se início ao 8º Pré-Fórum Fenaj cujo tema foi “Políticas de relação entre área acadêmica e movimento sindical dos jornalistas: avanços necessários para a defesa e consolidação do campo do Jornalismo” contou com a mediação do diretor do departamento de educação da Federação, Beth Costa e Juliano Maurício de Carvalho, Diretor da FNJP.

Foi defendida a necessidade de um Conselho Federal de Jornalismo e ainda o foco do debate foi o diploma e a necessidade do curso superior para os jornalistas.

Comentário de Heberton Lopes:

Eu fiz toda a cobertura fotográfica do primeiro dia do evento. Foi uma ótima experiência. Vários jornalistas estavam fazendo a cobertura para a web e precisavam publicar fotos. Eis a minha oportunidade! Minhas fotos estavam sendo veiculadas em sites e blogs ainda durante o evento, inclusive no blog oficial do Encontro.

Abaixo foto de parte da equipe de graduandos em jornalismo que fez a cobertura do Encontro.




Melhor do que realizar a cobertura do evento, foi fazer parte da platéia da discussão das diretrizes para o curso de jornalismo e ver de perto os representantes da Fenaj defendendo fervorosamente a obrigatoriedade do diploma.


Eu estou do lado da Fenaj.